segunda-feira, 23 de junho de 2014

A riqueza do Gana

Nunca pensei no Gana como um país rico, mas contra factos não há argumentos!
É um país rico, os seus milionários são todos de idade avançada e estão todos a morrer. Por sorte há um familiar deles que sabe o meu e-mail; como? Não sei e não quero saber, logo terei tempo para isso depois de agarrar a fortuna, ou melhor as fortunas, que estão à minha disposição.
A quantidade de mensagens que recebo é impressionante e atribuo o facto de me escreverem a um simples motivo: sabem que leio o correio todos os dias.
Por este andar não tarda serei rainha do Gana e assim que o for vou criar um novo hino:

Ó Gana, Ó que lindo Gana
Ó Gana lá no Mundial
A 26 desta semana
Vê o que fazes com Portugal

Vê o que fazes com Portugal
Que não sabe o que anda a fazer
Ó Gana, Ó que lindo Gana
Ó Gana, tu vais vencer?

Eu gosto muito de ver
Jogar e marcar golos
Não deve ser  difícil bater
Quem tem tantos torcicolos!

Não m'inveja de quem tem
D'ouro bolas e botas 
Tanto milhão não dá vintém
Apenas uma grande chacota

Ó Gana, Ó que lindo Gana
Ó Gana lá no Mundial
A 26 desta semana
Vê o que fazes com Portugal

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Ouvidos de Aquiles

Sou mesmo torta: tenho o calcanhar nos ouvidos...
Desde há muitos anos que os ouvidos me dão grandes dores de cabeça. E de ouvidos, diga-se de passagem. Faço frequentemente otites sem dor o que equivale a dizer que quando me começa a doer já o caso está negro. Ontem ficou breu.
Com a face ligeiramente inchada e um mal estar no ouvido fui ao médico ao fim do dia; recambiou-me para o hospital imediatamente, de ambulância. De ambulância? Tenha calma, eu tenho carro e motorista. Pensei que se ele insistisse eu ficaria mesmo assustada, mas ele não insistiu e lá fui com o meu filho, com uma carta debaixo do braço, a caminho do hospital de S. José, pois o Amadora-Sintra não tem otorrino à noite.
Chegada lá fiquei sozinha enquanto o chauffeur foi estacionar. Inscrevi-me, fui à triagem - ou à tiragem, nas palavras de uma senhora que estava na sala de espera a reclamar com a forma como tinha sido atentida na tiragem - puseram-me uma pulseira laranja, cor tão bonita mas que ali em forma de argola se mostrou preocupante.
Entrava o meu filho na sala de espera quando me chamaram, cuscaram-me dentro dos ouvidos e perguntaram-me porque só tinha ido agora, que devia andar a tomar qualquer coisa para as dores há dias e que isto era uma irresponsabilidade e etc. Expliquei que não, que as dores até eram suportáveis e que tinha ido ao médico pelo inchaço na cara. O médico muito sério perguntou-me muito devagar se eu não estava a tomar nada para as dores... olhei-o nos olhos e, muito devagar também, repeti que não. Ele fez uma cara de quem não acreditava e ficámos assim. Sai com uma mão cheia de receitas que o meu filho foi aviar na farmácia e adormeci a pensar que durante duas semanas não posso molhar o ouvido.
Hoje tenho uma minúscula borracha no ouvido, cuja ponta se vê dando-me um ar de agente secreto, surdo, mas agente secreto.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Preciso de ti

Enviei uma mensagem com a informação titular a um amigo.
Ele respondeu-me a querer saber se eu precisava de ajuda para carregar qualquer coisa. Respondi que não, carregar não, eu própria carrego o que for necessário, apenas preciso de matar saudades e a morte é coisa difícil de adiar.

Hare Krishna

Ontem ao fim do dia a avenida da Liberdade descia em mágoa e sofrimento. Ali desaguava o Parque Eduardo VII, cheio de surpresa, desapontamento, tristeza e frustação. Muitos acompanharam-me no metro, cachecóis ainda ao pescoço, caras encarnadas e verdes, narizes amarelos.
A plataforma cheia estava silenciosa e silenciosa seguiu a carruagem. A excepção eram dois homens indianos que conversavam, sobre o quê não sei, nem alegres nem tristes, aparentemente normais. As vozes e a indecifrável dinâmica línguística ouvia-se em todo o lado, como se fossem os únicos ocupantes da carruagem, eles próprios indiferentes a todos os outros.
Encontrei-lhes uma beleza inexplicável naquela indiferença, uma beleza invejável, como são todas. 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Faça-se Luz!

Faz hoje vinte anos que dei à luz. Foi a minha única experiência como electricista principal, pois tive outras, em que senti igualmente as dores do parto, sempre que nasceram os meus sobrinhos, quase meus netos face à diferença de idade que tenho com a minha irmã.
Logo de manhã perguntaram-me como me sentia com um filho com vinte anos e eu respondi que me sinto como se tivesse... vinte anos!
A mini festa surpresa da namorada, dos amigos e das namoradas dos amigos ontem em cima da meia-noite, onde fui incluída, faz-me sentir com metade da idade que tenho (menos de metade...), não esquecendo que é meu filho e que aqueles são amigos dele. Apesar da idade não me pesar, não faço nada o género de anunciar que somos todos amigos... cada macaco no seu galho, afinal existem muitos anos que nos separam.
As prendas sucederam-se entre roupa e perfumes e um quadro que adorei feito pelos dois grandes amigos, a quem eu chamo as eternas namoradas do meu filho: um patchwork de fotografias dos três.
Lá comemos a fatia de bolo e bebemos um vinho que eles levaram, no meio de conversa descontraída e entre todas as janelas escancaradas mas por onde não passava uma aragem.
Sorrio cada vez que me lembro pois parece que foi ontem, parece um daqueles filmes que saltam bocados da vida e vemos as personagens anos mais velhas.
Estou muito feliz, incrivelmente feliz.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Dia D

Faz hoje 10 anos, a meio da tarde, chovia torrencialmente em Caen.
Sei porque estava lá, com a chuva a misturar-se com as lágrimas que me escorriam pela cara, imparáveis.
Faz hoje dez anos, mesmo quando parava de chover mantinha-se um cinzento que nos acompanhou nas praias de Omaha, Utah, Gold, Sword e Juno.
Uma das viagens mais incríveis que já fiz, foi à Normandia, e ter lá passado o seis de Junho, foi uma inspiração.
No Memorial de Caen conversámos com um antigo soldado canadiano que nos disse saber que aquela era a sua última viagem à Europa, jovem com quase cem anos, até ele se admirava como ali estava. Ofereceu-me um pin com a bandeira do seu país e o momento em que os nossos dedos se tocaram, na troca do simbólico objecto, nunca desapareceu da minha memória, antes pelo contrário, adensa-se. Estava convencido que brevemente iria encontrar todos aqueles cujos nomes figuravam em placas nos cemitérios normandos, todos jovens como ele também fora, e voltaria a ser quando se reencontrassem.
A calma dele e da família que o acompanhava contrastava com a minha choradeira, que não conseguia parar, como se o meu campo de visão fosse uma tela por onde iam desfilando horrores, perpetrados por pessoas, pessoas como eu, afinal de contas, o que me desvairava pela pertença.
Hoje é um dia de comemoração que nunca passa sem que me lembre, que nunca passa sem que tenha vontade de chorar, que nunca passa sem raiva. Como foi possível?
A bem da verdade lembro-me todos os dias, pois tenho na cozinha, colada ao frigorífico, uma placa que trouxe de Omaha Beach, que indicava um caminho organizado naquele dia.
Nem a placa sonha que me indica a mim um caminho, diariamente, muito para além daquele para o qual foi criada.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Desorientação

Desenhados para navegar, para assustar, a mim encantam-me. Os barcos vikings, as lendas vikings, os vikings fascinam-me de uma maneira inexplicável. Sinto-me tatuada e enlevada por uma força mágica que me impele, que me conduz, que me desorienta.

O melhor barulho do mundo

A meio de trabalhos para a faculdade, apresentações e estudo para testes, o Duarte anda numa correria. Ontem à noite lembrei-o que também eu faço várias coisas em simultâneo e mesmo assim chego a casa e tenho as minhas tarefas, por isso, ele que não esquecesse as dele, nomeadamente a arrumação da cozinha.
A rir disse-me que ainda não tinha atingido a idade em que se consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo... que ele era um totó e eu sim, um acumular de experiência, de conhecimentos e sabedoria...
Tentei atingi-lo com uma almofada e pelo caminho entornei um copo de água que rebolou sem que eu prestasse atenção ao barulho, pois nestas alturas só consigo ouvir as gargalhadas do meu filho.

Montmartre

Muro do Amor. Amo-te em 311 línguas. É pouco.

Água viva

Beijo

Sorrisos à solta na montanha

Ver com os olhos de Deus, como dizia a Karen von Blixen 

Camilo

terça-feira, 3 de junho de 2014

Waiting on the Shore... ou outra selfie.

Outra selfie


Irene Lisboa

Não sei que diga.
E a quem o dizer?
Não sei que pense.
Nada jamais soube.

Nem de mim, nem dos outros.
Nem do tempo, do céu e da terra, das coisas...
Seja do que for ou do que fosse.
Não sei que diga, não sei que pense.

Oiço os ralos queixosos, arrastados.
Ralos serão?
Horas da noite.
Noite começada ou adiantada, noite.
Como é bonito escrever!

Com este longo aparo, bonitas as letras e o gesto - o jeito.
Ao acaso, sem âncora, vago no tempo.
No tempo vago...
Ele vago e eu sem amparo.
Piam pássaros, trespassam o luto do espaço, este sereno luto das horas. Mortas!

E por mais não ter que relatar me cerro.
Expressão antiga, epistolar: me cerro.
Tão grato é o velho, inopinado e novo.
Me cerro!

Assim: uma das mãos no papel, dedos fincados,
solta a outra, de pena expectante.
Uma que agarra, a outra que espera...

Ó ilusão!
E tudo acabou, acaba.
Para quê a busca das coisas novas, à toa e à roda?

Silêncio.
Nem pássaros já, noite morta.
Me cerro.
Ó minha derradeira composição! Do não, do nem, do nada, da ausência e
solidão.

Da indiferença.
Quero eu que o seja! da indiferença ilimitada.
Noite vasta e contínua, caminha, caminha.
Alonga-te.
A ribeira acordou. 

Selfie


Pablo Neruda

...
Tú eras también una pequeña hoja
que temblaba en mi pecho.
El viento de la vida allí te puso.
En un principio no te vi: no supe
que ibas andando conmigo,hasta que tus raíces
horadaron mi pecho,
se unieron a los hilos de mi sangre,
hablaron por mi boca,
florecieron conmigo.
Así fue tu presencia inadvertida,
hoja o rama invisible
y se pobló de pronto
mi corazón de frutos y sonidos.
Habitaste la casa
que te esperaba oscura
y encendiste las lámparas entonces.
...

Fim-de-semana de dádiva

Deram-me um fim-de-semana.
O cansaço amainou, vencido pela boa disposição e pela amizade de quem me fez um polvo extraordinário e peixe assado para comer até morrer. Não há silêncio nesta relação, porque estamos sempre a falar as duas. O telefone não compensa e ao vivo e a cores parece que nos lembramos de tanta coisa que precisávamos de um fim-de-semana de seis meses. Isto se falássemos depressa, claro.
Serenei a ansiedade que anda sempre feita lapa às minhas costas e até tive vontade de chorar quando me vim embora.
Passámos em revista livros e filmes, receitas e memórias, histórias e famílias, projectos de passado, de presente e de futuro. Falámos de obcessões, de amores e paixões, das minhas descobertas de investigação, de como tenho alumiado recantos escondidos do meu coração e do medo que tenho de perceber o que me parece cada vez mais óbvio.

Grandes sonhos

Sonho com montanhas noites seguidas. Montanhas com neve, que dispenso, mas que pareço adorar no sonho; montanhas verdes, que escalo com o coração a rebentar; montanhas tão altas que do pico não se vê o chão. Mas sinto-me segura, sempre, porque sonho que um gigante sorridente me conduz.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Al Berto

visita-me enquanto não envelheço 
toma estas palavras cheias de medo e surpreende-me
com teu rosto de Modigliani suicidado

tenho uma varanda ampla cheia de malvas
e o marulhar das noites povoadas de peixes voadores

ver-me antes que a bruma contamine os alicerces
as pedras nacaradas deste vulcão a lava do desejo
subindo à boca sulfurosa dos espelhos

antes que desperte em mim o grito
dalguma terna Jeanne Hébuterne a paixão
derrama-se quando tua ausência se prende às veias
prontas a esvaziarem-se do rubro ouro

perco-te no sono das marítimas paisagens
estas feridas de barro e quartzo
os olhos escancarados para a infindável água

com teu sabor de açúcar queimado em redor da noite
sonhar perto do coração que não sabe como tocar-te 

Não consigo tirar isto da cabeça

Não te consigo tirar da cabeça.

Uma vez que seja

Tu que navegas ao sabor do vento 
Sem outra rota que o que se deseja 
Tu que tens por mapa o firmamento 
Vem descobrir-me uma vez que seja 
E diz-me das viagens que eu não faço 
Dos mundos cintilantes que antevejo 
E traz-me mares de mel no teu abraço 
Poeira de ouro velho no teu beijo 
De ti não espero amarras nem promessas 
É livre que te quero neste cais 
Até que um dia em mim não amanheças 
E te faças ao mar uma vez mais 
E mesmo nesta hora de perder-te 
Sabendo que a magia se desfez 
Terá valido a pena conhecer-te 
E deslumbrar-me ao menos uma vez!
Letra de Ana Vidal

E eu a pagar...

Há dias na televisão dizia uma reclusa:
Está-se bem de cana... come-se e bebe-se... é caminha, é banhinho, é tudo, aqui está-se muito bem.